O ciclo de altas dos juros americanos está perto do fim

Construímos o gráfico abaixo somando o rendimento dos títulos de dívida do tesouro americano, dia a dia, desde 1990 até ontem. Escolhemos os principais títulos; destes excluímos os com vencimento em 30 anos, pois não foram emitidos por alguns anos a partir de 2000.

A curva resultante apresenta picos às recessões, sendo que as originadas nos EUA atingiram a reta de resistência (em vermelho). Já a crise de 95 causou uma reversão relativamente antecipada. Isso sugere que a crise das economias emergentes e o endividamento europeu podem novamente, a exemplo de 95, antecipar os cortes nos juros americanos.

Outro ponto é que a recessão não há de ser indicada pela reversão na curva, onde as taxas na ponta longa são menores do que na ponta curta, pois o longo e artificial período de juros zero distorceu a curva para a ponta curta. Assim, ela agora reverte depois do que normalmente inverteria. Isso ilude todos os economistas que baseiam-se neste indicador pela falta de noção que possuem de fase elástica e plástica de um sistema mecânico.

Por fim, entendemos que alta de 25pbs (+0.25% nas taxas de títulos de 3 meses) terá um efeito em toda a curva, e um outro de maior magnitude no fluxo de capital internacional, empurrando para a insolvência bancos credores das economias emergentes, em especial e nesta ordem Argentina, Turquia, Brasil, Índia e Indonésia.

bender

View posts by bender
analista gráfico de ativos financeiros. ex-cliente de Home Broker para ações e seus derivativos. desenvolvedor de algoritmos para previsão de séries temporais financeiras. administrador deste forum.
Scroll to top